Black Tie da Era da Depressão - Idade de Ouro dos smokings dos anos 1930

Roupa de noite dos anos 1930 Corte completo típico da década de 1930 para uso noturno

Corte completo típico da década de 1930 para uso noturno

Vestir-se para a ocasião é agora um hábito tanto para as massas quanto para os “ricos ociosos”.

anúncio de smoking, 1930

O apelo em expansão do Black Tie

Notavelmente, o maior capítulo da história da moda noturna – e sem dúvida da moda masculina em geral – é a era marcada pela Grande Depressão. Em uma época de extrema dificuldade financeira para muitos, a elite rica mantinha um guarda-roupa depois das seis que não era apenas elegante, mas às vezes completamente decadente. Em 1935, um escritor da sociedade New York Herald Tribune calculou que o kit de noite de um cavalheiro bem-vestido de Nova York poderia valer até US $ 4.975, uma vez que suas jóias e casaco de pele fossem contabilizados, o equivalente a impressionantes US $ 90.000 hoje. Foi esse estilo de vida glamoroso que Hollywood aproveitou ao atender ao desejo da América de escapismo barato e, no processo, elevou o fraque e o smoking ao status de ícone.

ÍndiceExpandirColapso
  1. O apelo em expansão do Black Tie
  2. Conforto e Estilo Clássico
  3. Coletes suaves e elegantes
  4. O terno do vestido: inconstância da moda
  5. Roupa de cama completa para camisas e coletes
  6. A ascensão de jaquetas e camisas informais
  7. Outras tendências de estilo
  8. Black Tie de Tempo Quente Aquece
  9. Retorno do Cummerbund
  10. Etiqueta clássica: distinguir formal, semiformal e informal
  11. Pôr do sol dourado: o fim de uma era
  12. Fatos formais e ícones de estilo
Corte completo típico da década de 1930 para uso noturno

Corte completo típico da década de 1930 para uso noturno

A elegância da tela de prata tornou-se mais acessível para o homem médio graças à maior disponibilidade de smokings prontos para usar que foram comercializados em massa pela primeira vez pelos alfaiates da Filadélfia, S. Rudofker's Sons, antecessor do gigante da indústria After Six. Ainda mais econômica foi a opção recém-estabelecida de simplesmente alugar roupas formais diariamente. Como resultado, Rudofker anunciou jubilosamente em 1930 que o hábito de se vestir para a ocasião antes restrito aos ricos ociosos agora se expandiu para incluir as massas: homens de negócios, motoristas de caminhão, colegas, agricultores, trabalhadores de escritório, jovens do ensino médio: eles são re Todos vestindo smokings!

Conforto e Estilo Clássico

Outro fator principal no apelo crescente do terno de jantar foi certamente suas melhorias no conforto. O historiador de moda masculina G. Bruce Boyer explica que, antes dos anos 30, o kit de vestido de noite de um cavalheiro consistia em um terno ou terno de lã de 18 a 20 onças, uma camisa rígida de tecido pesado. algodão com uma gola alta e engomada e acessórios e joias extensos. É confuso para a mente, não para todo o corpo, entender como qualquer dança, exceto as mais majestosas, poderia ter sido negociada. Então, durante os anos entre guerras, as camisas ficaram mais macias, os coletes ficaram mais frios e, mais notavelmente, os ternos de noite ficaram mais leves que os ternos normais. Como a história corporativa do After Six uma vez resumiu, smoking estavam finalmente sendo feitos para dançar.

Jaquetas com gola xale DB - EUA 1930 em lã penteada inacabada azul meia-noite com bolsos de jato e 3 botões de punho

Jaquetas com gola xale DB – EUA 1930 em lã penteada inacabada azul meia-noite com bolsos a jato e 3 botões de punho

Por último, houve o impacto do estilo. Por quase um século, o vestuário masculino se concentrou em parecer discretamente respeitável, mas a influência juvenil nascida da era do jazz – simbolizada pelo eminentemente elegante Príncipe de Gales – liberou a moda masculina de tais restrições na década de 1930. Pela primeira vez desde que a moda da Regência estava na moda. Foi assim que as tendências de roupas de noite da década de 1920, originalmente confinadas aos círculos sociais da elite, começaram a se espalhar para as massas.

Talvez, obviamente, a roupa de noite é para ser usada à noite.

Talvez, obviamente, a roupa de noite é para ser usada à noite.

Azul da meia noite

A preferência de cor jovial do príncipe para o traje depois das seis foi importada para a América por estrelas de cinema de Hollywood e estava na moda em meados dos anos trinta. Frequentemente descrito por jornalistas e anunciantes apaixonados como sendo mais negros do que Preto , foi inicialmente limitado às variações menos formais de roupas de noite, mas sua popularidade rapidamente se expandiu até que em 1934 os periódicos de moda masculina o promoviam para todos os tipos de vestidos de noite. Em 1935, foi relatado que as fábricas que fabricavam tecidos para vestidos formais esperavam que as vendas do azul meia-noite fossem iguais ou mesmo superiores às do preto naquela temporada. Suas previsões se mostraram verdadeiras e no final dos anos trinta, etiqueta e especialistas em alfaiataria estavam anunciando que essa cor anteriormente alternativa era agora a principal escolha para ternos e jaquetas.

Coletes suaves e elegantes

Os coletes tornaram-se um item de alto estilo, observou a Apparel Arts em 1933. Não mais das roupas grossas e mal ajustadas, mas hoje um arranjo suave e elegante. Os cavalheiros continuaram a personalizar seus trajes de noite através da escolha de modelos trespassados ​​ou trespassados, geralmente com uma abertura frontal estreita em forma de V. Eles também tinham a opção do estilo tradicional lateral ou o design sem encosto mais novo e mais confortável introduzido na década anterior pelo maverick real da Inglaterra. Quando o príncipe se tornou rei em 1936, a Esquire estava relatando que sua criação era a escolha preferida em Londres e rapidamente ganhando popularidade nos EUA.

Black Tie descontraído dos anos 1930 mesmo com colete preto, gola de asa e lapela como visto por Laurence Fellows

Black Tie descontraído dos anos 1930 mesmo com colete preto, gola de asa e lapela como visto por Laurence Fellows

A moda dos anos 1920 de usar um vestido completo colete com o smoking informal permaneceu popular em Londres e na França na abertura da década, graças à sua aparição frequente no Prince nos resorts Continental. No entanto, no outono de 1933, a edição inaugural da Esquire estava relatando que o colete branco finalmente foi autorizado a se juntar ao seu companheiro legal, mas há muito distante, o fraque, e os novos smokings são combinados com um colete do material da jaqueta, com estampas opacas. gorgurão frente lapela. A popularidade renovada do fraque na última parte da década reduziu ainda mais o apelo da combinação mestiça, embora alguns especialistas em etiqueta continuem a recomendá-lo como um meio termo formal nas próximas décadas.

Em meados da década de 1930, alguns dos vestidos mais vanguardistas da época optaram por ignorar completamente as opções tradicionais de preto e branco e aumentaram seus smokings com coletes de seda coloridos.

O terno do vestido: inconstância da moda

Nem mesmo o terninho centenário estava imune à exuberância da alfaiataria da época. Casacos costumavam ser como os Fords, escreveu Esquire em 1936, era um motivo de orgulho que o modelo raramente fosse alterado. Agora os homens estavam sendo inundados com artigos de moda masculina e anúncios enfatizando a necessidade de ficar a par das últimas modas de vestidos completos ou correr o risco de estigmatização social.

Nos primeiros anos, havia dois estilos distintos de fraques de noite, conforme resumido em um relatório de 1932 Men's Wear. O estilo britânico apresentava cintura alta e ombros largos com muito drapeado (cheio extra no peito e nas omoplatas). Em contraste, o casaco americano tinha cintura um pouco mais baixa, ombros naturais e nenhuma drapejar . O visual britânico gradualmente dominou devido em grande parte ao patrocínio do Príncipe de Gales, cujo alfaiate também gostava de usar lapelas curtas e grossas para criar ainda mais um efeito de alongamento vertical. Punhos falsos, falta de bolso no peito e botões de tecido de seda em vez de osso foram outras tendências populares que surgiram do exclusivo West End de Londres durante o início da década. Também notável foi o retorno da gola xale dégagé como uma alternativa admissível para a lapela de pico.

London UK Black Tie Style Winter 1939 - observe o galon trançado de seda nas calças

London UK Black Tie Style Winter 1939 – observe o galon trançado de seda nas calças

Alguns dos desenvolvimentos mais extremos começaram a cair em desuso nos anos que se seguiram à abdicação do príncipe em 1936. Em 1937, as lapelas largas e grossas estavam perdendo popularidade e, em 1940, a Esquire estava aconselhando os homens a seguir a tradição para evitar serem confundidos com maestros, uma tribo conhecida por cinturas de vespas, ombros largos e arranha-céus do Himalaia. calças .

Ao longo da década, as tranças de calças de vestido completo ainda eram duas listras de largura média ou uma listra muito larga, embora o estilo anterior estivesse se tornando mais comum.

Roupa de cama completa para camisas e coletes

Não contente em simplesmente melhorar o conforto do colete, o Príncipe de Gales também elevou a aposta em seu estilo. Assim como os botões e elos da camisa social, os botões do colete eram tradicionalmente feitos de pérolas para combinar com o estilo da peça. branco tecido. Consequentemente, quando o príncipe começou a aparecer no exclusivo Embassy Club de Londres com botões de colete preto, homens bem vestidos perceberam. A moda rapidamente se espalhou para a América e logo outras cores também eram permitidas, desde que não fossem muito vistosas. Os modelos trespassados ​​eram mais populares do que os trespassados ​​nessa época, mas Sua Alteza Real ficou feliz em modificar ambos. Ele não apenas exportou a parte de baixo trespassada em forma de W do desgaste do dia para o vestido de noite completo, mas também introduziu pontos arredondados, bem como modelos de fundo reto sem reversos (lapelas).

Acima do colete, o príncipe preferia um colarinho de camisa alto que exigia uma abertura larga e abas muito largas que eram ligeiramente mais largas que a gravata borboleta. Os peitos de linho simples permaneceram populares durante a época, apesar da tendência crescente para o camisa frente, colete e gravata borboleta em piqué combinando.

Conjunto Black Tie dos anos 30 com influências de gravata branca de camisa, gola e colete - nota 3 botões de punho e sapatos captoe

Conjunto Black Tie dos anos 30 com influências de gravata branca de camisa, gola e colete – nota 3 botões de punho e sapatos captoe

A ascensão de jaquetas e camisas informais

Anteriormente considerado muito informal para usar à noite devido à falta de colete acompanhante, o trespassado jaqueta de jantar a popularidade disparou no início dos anos 30 graças mais uma vez ao modelo real de moda masculina da Grã-Bretanha. O futuro duque de Windsor invariavelmente combinava o casaco chique com uma camisa de noite plissada de frente macia com gola virada e punhos franceses, em vez da tradicional camisa frontal engomada com gola de asa destacável e punhos únicos. O resultado geral, explica o renomado armarinho Alan Flusser, foi um look que trouxe um novo patamar de informalidade ao smoking tradicional – mas sem rebaixar os padrões que separavam quem se vestia corretamente de quem simplesmente se arrumava.

Embora os especialistas em etiqueta de época se certificassem de limitar a adequação dessas inovações às ocasiões mais informais – noites de verão, em particular – o novo modelo de jaqueta rivalizava com a popularidade do padrão de trespassado em 1935. lapelas eram geralmente repicadas. Quanto ao estilo da camisa contemporânea, a edição de novembro de 1937 da Esquire observou que a gola virada para baixo substituiu a gola tradicional em meados dos anos trinta e agora era praticamente padrão para roupas informais.

De volta à Inglaterra, os fabricantes de camisas de Londres criaram uma nova variante que era mais elegante do que as camisas informais de frente macia, mas mais confortável do que a opção formal de frente rígida. A camisa marcella resultante era um compromisso elegante que consistia em um peito semi-rígido feito de piqué formal com gola e punhos dobrados combinando.

Verão de 1938 - típicos conjuntos de gravata branca e gravata preta com corte completo, lapelas largas, drapeado e acolchoamento nos ombros

Verão de 1938 – conjuntos típicos de gravata branca e gravata preta com corte completo, lapelas largas, drapeado e acolchoamento nos ombros

Aparentemente não havia fim para o apetite por floreios na moda da noite dos anos 30, estendendo-se até os mínimos detalhes:

  • os revestimentos de seda foscos ou com nervuras tornaram-se preferidos à medida que as lapelas de cetim brilhantes eram cada vez mais associadas ao vestuário pronto-a-vestir
  • a semi-borboleta era a forma de gravata borboleta preferida, embora a gravata arredondada, a gravata pontiaguda e a gravata reta estreita também fossem aceitáveis
  • o tecido da gravata borboleta preta agora combinava com as lapelas do smoking
  • a gardênia branca ou cravo era a flor na lapela de escolha para os tradicionalistas, mas o cravo-trevo vermelho inspirado no Príncipe de Gales era cada vez mais popular entre os jovens; no final da década de 1930, a centáurea azul foi adicionada à mistura
  • para vestido completo, o relógio de bolso foi usado com um chaveiro nos primeiros anos e, mais tarde, o antiquado relógio de selo georgiano voltou
  • o homburg preto ou azul meia-noite tornou-se headwear padrão com ternos de jantar na Inglaterra e nos EUA.

Black Tie de Tempo Quente Aquece

A última inovação digna de nota da década é uma das poucas que não foram inspiradas pelo príncipe. Em vez disso, foi originado por americanos e britânicos abastados que buscavam uma alternativa mais fria para o terno preto pesado e absorvente de calor ao passar o inverno em climas tropicais.

Mess Dress Jacket com cummerbund cor de vinho à esquerda e jaqueta de jantar DB off white à direita - London UK 1938

Mess Dress Jacket com cummerbund bordô à esquerda e jaqueta de jantar DB off white à direita – London UK 1938

A jaqueta de bagunça

No final de 1931, os repórteres de moda dos resorts tropicais americanos notaram uma nova moda entre as socialites para a jaqueta branca, uma contrapartida civil para o traje militar formal que se assemelhava a um fraque cortado na cintura. Apparel Arts explicou que a jaqueta originou-se como roupa de noite para oficiais da marinha britânica, mas por sua adoção por americanos bem vestidos para uso a bordo de seus iates e em eventos noturnos elegantes de Palm Beach, é aceito como correto. Com a sanção da alta sociedade, a roupa da moda logo se tornou a moda.

No início, a jaqueta era feita em gabardine, pato ou um material lavável e tinha lapelas pontiagudas e botões frontais. Era usado com um colete do mesmo material, uma camisa formal de gola alta e uma calça social de cintura alta preta ou azul meia-noite sem bolsos traseiros. A gravata borboleta e os acessórios eram de acordo com o desgaste informal padrão da noite. Alguns anos depois, uma variação de gola xale mais inteligente e informal apareceu sem botões ou bolso no peito. Foi apropriadamente combinado com uma camisa de gola virada para baixo e a faixa de cummer recentemente (re)introduzida.

Então, quase tão rapidamente quanto apareceu, a jaqueta de refeitório caiu em desuso. Sua principal desvantagem era que o corte era impróprio para qualquer pessoa com uma constituição menos do que atlética. Sua segunda desvantagem foi que foi rapidamente adotado como um uniforme universal para mensageiros e bandas de jazz e poucos cavalheiros de qualquer nível de condicionamento físico desejavam ser confundidos com ajudantes contratados ou artistas.

Jaqueta Branca

Jaquetas brancas estrearam ao lado da jaqueta de refeitório emresortscomo Palm Beach e Cannes, embora com muito menos alarde. Construídos com broca de algodão, linho ou seda, eram originalmente usados ​​com calças pretas ou brancas de lã tropical. Sua popularidade em locais tropicais cresceu lenta mas seguramente e quando a jaqueta de refeitório se tornou ultrapassada em 1936, elas eram tão comuns quanto os tradicionais casacos escuros. Em sua edição de agosto de 1936, a Esquire definiu o guarda-roupa formal para o clima quente por excelência:

Este ano, a grande aposta é para casacos de jantar simples ou duplos [coloridos claros], colarinho e auto lapela fachadas. Estes são usados ​​com calças de vestido tropical [preto], oxfords ou bombas de couro envernizado, uma camisa branca e macia com colarinho macio ou lavado e uma gravata preta.

Um cummerbund também era necessário ao usar uma jaqueta de trespassado e, embora não houvesse regras específicas para o estilo de lapela, golas de xale eram a norma.

After Six anúncio da década de 1930 mostrando uma jaqueta DB com gola xale DB buff com chapéu de palha, lapela vermelha, lenço de bolso e gravata borboleta

After Six anúncio da década de 1930 mostrando uma jaqueta DB com gola xale DB buff com chapéu de palha, lapela vermelha, lenço de bolso e gravata borboleta

Cor de clima quente

A aceitação de jaquetas brancas abriu caminho para outras cores em casacos de noite de verão e logo tons como ameixa, verde escuro, vinho e azul brilhante estavam sendo usados ​​nos pátios enluarados de Palm Beach. O próximo desenvolvimento lógico foi acessórios coordenados e vermelho escuro foi a escolha favorita para gravatas-borboleta, cummerbunds, relógios de meias e lapelas. Lenços de bolso também eram frequentemente usados ​​para adicionar um toque de elegância, mas apenas quando a lapela era branca.

A adição de sutis toques coloridos ao preto e branco verão paleta fez tanto sucesso que muitos desses acessórios começaram a migrar para o tradicional jantar escuro se adequa medida que a década avançava.

Retorno do Cummerbund

O reaparecimento no final da década de 1920 do cummerbund recém-modificado se saiu muito melhor graças em grande parte ao seu emparelhamento com a popular jaqueta de bagunça. Em 1937, a New Etiquette descrevia a peça como uma cobertura de cintura popular e chique para roupas informais de noite em resorts. Destina-se ao tempo quente para evitar a necessidade de ter o arnês de um colete sobre o ombro e nas costas quando pode estar desconfortavelmente quente. Nas pessoas certas na hora certa, é decorativo e corretamente no espírito de alegria colorida.

Como o autor aludiu, o cummerbund poderia ser usado para infundir roupas formais de clima quente com cores e até padrões. Na maioria das vezes, porém, a seda preta continuou a ser de rigueur para coberturas de cintura usadas com o smoking branco. A faixa formal plissada também poderia ser combinada corretamente com um smoking preto de acordo com o autor do livro, mas apenas quando esses smokings eram usados ​​em resorts; a aceitação de cummerbunds durante todo o ano ainda estava a pelo menos uma década de distância.

EUA novembro de 1938 - Gravata preta formal com gola de asa à esquerda, semi formal em azul meia-noite DB Tuxedo e gola turndown à direita por Leslie Saalburg

EUA novembro de 1938 - gravata preta formal com gola de asa à esquerda, semi formal em azul meia-noite DB Tuxedo e gola de abertura à direita por Leslie Saalburg

Etiqueta clássica: distinguir formal, semiformal e informal

Roupa de noite formal

Paradoxalmente, enquanto o traje de noite se tornava mais casual, seu protocolo retrocedeu para a formalidade pré-guerra à medida que a Depressão progredia. O padrão tradicional de um fraque e gravata branca sendo necessários para o uso em qualquer evento formal atendido por senhoras é válido hoje, relatado no Fort Worth Star Telegram em setembro de 1935. vestido correto. Casacos de cauda reinam nos bailes de formatura e os smokings não são mais “feitos para fazer”. Em janeiro de 1940, a influência da Ivy League tornou-se tão predominante que as caudas substituíram muito bem o smoking na maioria dos locais de celebração, disse Esquire.

Roupa de noite informal/semiformal

Em novembro de 1936, a Esquire estava instruindo os leitores de que o smoking geralmente era adequado apenas a bordo de navios, nos trópicos, para jantares em casa, festas de teatro e eventos de clubes e veados. Esse retorno às restrições eduardianas pode ter rebaixado o status do smoking em teoria, mas nas páginas de Apparel Arts e Esquire, o conjunto foi promovido ao posto recém-cunhado de semi-formal. Essa categorização de compromisso era adequada considerando que o chamado smoking informal vinha aparecendo regularmente em funções relativamente formais desde o final da Primeira Guerra Mundial.

Independentemente da terminologia empregada, era universalmente aceito que inovações recentes na moda noturna haviam criado uma nova subhierarquia. No topo da escala do smoking estavam a jaqueta muito formal, preta ou azul meia-noite – as únicas cores corretas para se vestir na cidade – e a camisa com gola de asa. Na parte inferior da escada havia jaquetas de clima quente, adequadas apenas para verões no campo e nos trópicos. Situado em algum lugar entre eles estavam a jaqueta trespassada e a camisa com gola aberta originalmente classificadas como casuais, mas cada vez mais aceitáveis ​​em todas as ocasiões semiformais, graças à sua crescente popularidade.
Embora as autoridades britânicas de etiqueta reconhecessem uma hierarquia semelhante de trajes de jantar, eles continuaram a definir o traje de noite como sendo um vestido completo ou uma variante do vestido de jantar; na Inglaterra, não havia meio formal.

Londres UK modas de noite 1935 gravata preta e gravata branca não as luvas e chapeau claque à direita e Homburg à esquerda

Londres UK modas de noite 1935 gravata preta e gravata branca não as luvas e chapeau claque à direita e Homburg à esquerda

Um código preto e branco

Em meio à confusão contínua do que exatamente constituía formal nesta era moderna – algumas fontes americanas estavam até começando a usá-lo como um termo geral para todas as roupas de noite – surgiu uma designação mais coloquial para o fraque e o smoking. Ao focar nas diferenças físicas óbvias das roupas, White Tie e Black Tie contornaram o jogo formal de adivinhação e gradualmente se tornaram parte do vocabulário comum.

Pôr do sol dourado: o fim de uma era

No final da década de 1930, o smoking atingiu seu ápice em popularidade e estilo. Como Alan Flusser resume em Style and the Man:

Nenhuma outra era poderia ter produzido tanto sucesso na alfaiataria. Cada passo da evolução do smoking foi medido pela perfeição da roupa isto pretende substituir – o avô da elegância masculina, o fraque, e gravata branca . . . O novo smoking projetava um nível de estatura e classe igual ao de seu progenitor engomado, embora proporcionasse consideravelmente mais conforto.

Assim como a guerra anterior acabou com a preeminência do fraque, a Segunda Guerra Mundial também fecharia a era de ouro do smoking. Embora as inovações estilísticas do smoking sobrevivessem com segurança ao conflito que se seguiu, seu status como traje de noite padrão seria continuamente corroído no mundo cada vez mais informal que surgiu após 1945.


After Six Rudofker Evening Wear Anúncio - 1937

After Six Rudofker Evening Wear Ad - 1937

Fatos formais e ícones de estilo

Fatos formais: Aluguel de smoking se torna popular

Aluguel de roupas (roupas contratar no Reino Unido) tornou o vestuário formal muito mais acessível para a pessoa média e tornou-se uma indústria multimilionária no processo. A empresa apresentada neste anúncio nas páginas amarelas de Toronto de 1937 estava no mercado desde 1918 e agora é uma cadeia nacional conhecida como Freeman Formal wear.

Edward popularizou o colarinho macio para gravata preta. aqui ele usa paletó de gola xale com face de gorgurão de seda, flor na lapela de cravo e gravata borboleta preta frouxamente amarrada

Edward popularizou o colarinho macio para gravata preta. aqui ele usa paletó de gola xale com face de gorgurão de seda, flor na lapela de cravo e gravata borboleta preta frouxamente amarrada

Príncipe de Gales, Rei Eduardo VIII, Duque de Windsor

O príncipe de Gales tornou-se o rei Eduardo VIII em janeiro de 1936. No entanto, ele abdicou do trono apenas onze meses depois para se casar com a americana divorciada Wallis Simpson. Em 1937, recebeu o título com o qual é mais comumente associado: Duque de Windsor.

Como um grande defensor da roupa de gravata preta mais casual, ele é conhecido por ter conjuntos de noite esplêndidos.

Ícones de estilo: Fred Astaire

Pensativo Fred Astaire em gravata branca

Pensativo Fred Astaire em gravata branca

Fred Astaire não era apenas uma estrela dos musicais de Hollywood, mas também um figurino impecável. Seus fraques personalizados eram tão bem feitos que permaneciam perfeitamente posicionados nas mais exuberantes rotinas de dança. Um de seus filmes mais populares foi o sucesso de 1935 Cartola que contou com a música de Irving Berlin Top Hat, White Tie and Tails

Fatos formais casamentos noturnos

1937 casamento em Nova Jersey

1937 casamento em Nova Jersey

Embora desconhecidos em Nova York, os casamentos noturnos estavam na moda em outras cidades dos EUA. As autoridades de etiqueta continuaram a exigir trajes completos, mas Escudeiro artigos e fotos vintage revelam uma crescente aceitação do smoking. Ver Casamentos à noite vintage para detalhes.

Fatos formais: Baile

Baile de formatura 1937 em gravata branca e gravata preta

Baile de formatura 1937 em gravata branca e gravata preta

O baile de formatura do ensino médio americano descende dos cotillions universitários e dos bailes de debutantes da sociedade na década de 1920 e tornou-se amplamente popular na década de 1930. Esses rituais para transformar adolescentes em cidadãos respeitáveis ​​incluíam a troca de roupas juvenil por roupas de noite para adultos.

Apparel Arts Cover de junho de 1957 - a legenda logo se tornaria o nome da própria revista GQ

Apparel Arts Cover de junho de 1957 – a legenda logo se tornaria o nome da própria revista GQ

Fatos formais: Apparel Arts, Esquire, Herrenjournal…

As revistas de moda masculina e os periódicos de alfaiataria continham muitas fotos e ilustrações. Nos E.U.A, Artes de vestuário foi uma publicação atacadista de roupas e armarinhos que estreou em 1931 e foi publicada duas vezes por ano no início, e depois uma vez por trimestre. Era tão popular entre os clientes dos varejistas que os editores lançaram Escudeiro em 1933 como um equivalente masculino de Voga apresentando imagens de sua publicação principal.

Ambos foram promovidos pela mesma editora, então meio ano antes que as últimas modas fossem vistas na Esquire, elas apareceriam na Apparel Arts. Dessa forma, um homem interessado em moda poderia ir à loja local e obter a última moda. Em 1957, a revista mudou de Apparel Arts para Gentleman’s Quarterly, que agora é voltada para o consumidor e se chama GQ.

1931 - Capa Herrenjournal - Observe o conjunto de fraque azul meia-noite com gravata branca à direita com uma corrente de relógio e colete BB de 2 botões

1931 – Capa Herrenjournal – Observe o conjunto de fraque azul meia-noite com gravata branca à direita com uma corrente de relógio e colete BB de 2 botões

Juntamente com a revista de alfaiataria roupas masculinas, esses são os principais recursos para a moda masculina americana dos anos 1930.

Na Europa, havia inúmeras outras revistas de moda masculina, como a diário dos homens na Alemanha, e que promoveu o estilo clássico masculino.

Fatos formais: Black Tie vintage para clima quente

Jaquetas Off-White tiveram suas origens em trajes usados ​​para cruzeiros e resorts tropicais.

Jaquetas Off-White tiveram suas origens em trajes usados ​​para cruzeiros e resorts tropicais.

Para muito mais sobre as roupas de paletó e jaqueta branca dos anos 1930 e 1940, veja o Gravata preta vintage para clima quente página.

Diplomacia formal

John F. Kennedy e irmão Joe Jr.

John F. Kennedy e o irmão Joe Jr. em uma festa diplomática em Londres organizada por seu pai em 1938.

Em muitos países, a gravata branca é a versão do século 20 dos uniformes diplomáticos ornamentados usados ​​​​pelos embaixadores e seus funcionários em ocasiões públicas desde por volta de 1800 e estampados no vestido da corte europeia.

Explore este capítulo: 3 História de gravata preta e smoking

  1. 3.1 Origens da Regência do Black Tie – 1800
  2. 3.2 Regency Evolution (1800 – anos 30) – Casaco colorido e gravata
  3. 3.3 Roupas masculinas do início da era vitoriana: o preto domina as décadas de 1840 e 1880
  4. 3.4 Estreia de jaqueta de jantar vitoriana tardia - 1880
  5. 3,5 Vestido de Noite Completo e Informal Anos 1890
  6. 3.6 Smokings eduardianos e gravata preta – 1900 – 1910
  7. 3.7 Smoking da era do jazz -1920
  8. 3.8 Black Tie da Era da Depressão - Idade de Ouro dos smokings dos anos 1930
  9. 3.9 Smokings e gravata preta do pós-guerra – final dos anos 1940 – início dos anos 1950
  10. 3.10 Smokings Jet Age – final dos anos 1950 – 1960
  11. 3.11 Contracultura Black Tie Smoking 1960 – 1970
  12. 3.12 Tuxedo Rebirth – Os anos Yuppie – 1970
  13. 3.13 Tuxedo Redux – Os anos 1980 e 1990
  14. 3.14 Black Tie da Era Milenar – 1990 – 2000
  15. 3.15 Smokings em 2010
  16. 3.16 Futuro dos smokings e gravata preta